Bela cidade das Gerais!

Bela cidade das Gerais!
Imagem feita por Sotnas Odlabu em São João Del Rei MG em nov de 2016

E AQUI, OS QUE POR CÁ VIERAM UMA, E CONTINUAM VOLTANDO OUTRAS VEZES!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Tenho certeza, seria diferente!

Imagem feita por Sotnas Odlabu no Orquidário de Santos-SP em novembro de 2012


Não fossem alguns homens totalmente dominados pela vaidade, eu creio que seria desnecessário nesta época tanto apelo de outros por se fazer notar, por desejar dar continuidade a própria existência, por um simples ato de caridade.
Talvez não tivéssemos que presenciar tantas lágrimas doridas em tantas faces, mas sim a luminosidade de muitos sorrisos felizes, tal como nos foi passado pelo criador, amar ao próximo como a nós mesmo!
Boas festas a todos, e que possamos iniciar outro período com este sentimento a povoar por mais tempo nossos corações, felicidades a todos!  


Sotnas Odlabu

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Da esperança ao desencanto!

imagem feita em Santos no Orquidário em no 2012
por Sotnas Odlabu

Não posso sentir a felicidade plena enquanto outros ao redor
 sofrem com intensa infelicidade, não posso ser totalmente feliz assim!
Sotnas Odlabu

Não que seja do meu querer,
E não muito posso fazer, mas,
Apesar de todo o encanto que é viver,
Venho sendo tomado por esta melancolia,
Observar o proceder dos outros animais,
Faz-me renovar a esperança, e deveras alegria,
Já as atitudes dos homens me revelam então,
Que apesar de sermos inteligentes, humanos,
Faz-me sentir esta intensa decepção,
Por perceber que não muito aprendemos,
Apesar dos vividos anos,
O homem ainda segue a cartilha do eu, meu, sou,
Quando basta somente olhar para qualquer canto,
Que começar a viver como nós,
É que se dá toda esta magia,
Pois viver tem todo este encanto,
E estamos nesta época, é quase natal,
Terei que suportar as falsas felicitações,
Outras obscuras intenções,
E “amigos” tão, oh Deus,
Isto não vai ser fácil, mas, fatal!
  Sotnas Odlabu




domingo, 11 de novembro de 2012

Pensamentos meus, simplesmente...

Imagem feita em Monte Verde-MG , em agosto de 2012, por Sotnas Odlabu!




Eu posso até estar errado, pois não sou e nem pretendo 
ser dono da verdade, mas, me acostumei a dizer que algumas
 pessoas nasceram somente para dificultar a vida do restante. 
E no atual momento que estamos vivendo nesta violência que, 
extrapolam os limites suportáveis por qualquer sociedade eu percebo
 que há algo de verdade nestas palavras ditas em momentos de desabafo.
Digo isso sempre que percebo em certas pessoas o quanto valorizam 
os bens materiais que adquirem, e mais ainda as contas bancárias que
 estimulam a eles e lhes servem de referências. Para muitas pessoas 
ter uma polpuda quantia em um banco lhe dá o status de pessoas decentes,
 de boa índole, é triste!
Somente gostaria de saber onde vão gastar toda a decência que acumulam, 
quando o meio em que vivem, ou mesmo ele próprio deixar de existir, 
pois continuam a se preocupar somente e acumular riquezas a qualquer custo,
 até mesmo do desaparecimento das espécies que por cá habitam!
Penso que ainda é tempo de enxergar que a felicidade está na simplicidade
 de ser, em um lugar onde poucos procuram!

                                                      Sotnas Odlabu


quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Apenas, tente relevar...

Imagem feita em Holambra  em setembro de 2012, por Sotnas Odlabu




Ao me ouvir se queixar,
Que os dias se vão rápido,
E o que desejo e tento realizar,
Nem sempre eu consigo,
E por vezes, nem sei o motivo,
E de quando não ousei
Vendo a oportunidade passar,
Peço-lhe que não se aborreça,
Com este meu breve lamento,
Faço o que posso pra que eu mereça,
Estar por cá o tempo suficiente,
E realizar tudo que tenho em mente,
E, se o tempo que resta for escasso,
Tenho essa mania de observar,
Peço que perdoe meus fracassos
E se você criticar o que eu faço,
Saiba que sempre tento acertar
É eu sou assim, que posso eu fazer,
Sei que muito ainda preciso conhecer,
Não, não pode me condenar,
Por ser um simples mortal,
E como tudo por cá, vou passar,
Humano, pensante, mas, sou animal,
Que esta vida siga a me encantar,
Este deveras abençoado encantamento,
Faz-me viver de maneira intensa,
Todo e qualquer momento,
Enquanto ainda é tempo!
Sotnas Odlabu


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

RETRIBUINDO O PRESENTE

ESTE É O SELO
E LOGO ABAIXO ESTÃO OS MEUS INDICADOS JUNTAMENTE COM SEUS BLOGS .

Então, é ou não é, um belo selo presente!
Olá Meu amigos, esta postagem é para terminar de cumprir o que me foi pedido quando recebi este selo da prezada amiga Carmen Lúcia do blog Prazer de Escrever http://mamymilu.blogspot.com.br
É mais ou menos assim, para que eu possa ter este selo estampado aqui, (bem ao lado) seria necessário eu ir até o blog da Carmen que esta me repassando , ou indicando eu e o SOTBLOG entre os sete amigos para receber o selo, e eu devo fazer o mesmo que ela, indicar sete amigos para repassar o selo, avisar todos e postar aqui a lista dos sete amigos e blogs que indico, para o selo.
E eis que com certa dificuldade, pois não me sinto a vontade tendo que escolhendo sete entre tantos amigos que fiz neste virtual circulo de amizades, enfim, acredito que os tantos outros que não figuram na lista entenderão, apenas sete!
E assim logo abaixo estão os sete listados, que eu convido a fazerem o mesmo que eu, e que seja divertido para todos, pois o selo é deveras belo, eu achei!
Eu desde já agradeço a todos os amigos escolhidos e também a Carmen Lúcia que me escolheu, e me fez se divertir e reforçar as amizades também, ou não!
OBRIGATO A TODOS OS AMIGOS!  

                   EIS OS SETE ESCOLHIDOS

Ana Bailune do blog Liberdade de Expressão

Néia Lambert do blog ETERNO

Shirley Brunelli do blog Asfalto das Horas

José Vitor do blog Um Passeio... Longe

Ingrid do blog Perfumes e Palavras

Vivian, do blog IN FOCO

Vanessa (Van) do blog Retalhos do que Sou



Sotnas Odlabu

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Só hoje, ou, todos os dias!

Entristece-me perceber que alguns indivíduos da sociedade, abraçam a ideia de viver tramada pelo sistema!
Que você jamais tenha o desejo de vislumbrar o que há depois da mais alta montanha,  Obscuros interesses! Imagem feita em agosto de 2012 em Atibaia-SP, na Pedra Grande.


Ainda assim, eu parabenizo a todos os professores, pela perseverança de transformar pessoas em seres com melhores perspectivas de um viver melhor, parabéns por este e todos os dias da existência de vocês, verdadeiros mestes do conhecer! 


Não deveria ser por hoje apenas,
Lembrar-te de verdade,
Daquele que,
Com teu saber me acenas,
Ou talvez não seja tão tarde,
 Valorizar aquele que da vida,
Apresenta-nos os valores,
 Formado os pilares da sociedade,
Pois são os duplicadores,
Do conhecimento e do saber,
Desde a nossa pequena idade,
Assim devemos ter maior desvelo,
Com os nossos professores,
Mas, isto é, ir,
 Contra o sistema e o seu sadismo,
 Que é feliz em governar um povo,
No mais completo analfabetismo!
 Sotnas Odlabu

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Do modo certo, seria diferente!

Imagem feita em Atibaia, por Sotnas Odlabu em set de 2012, na Festa do Morango e das Flores.
Apenas um exemplo da exuberante perfeição que a natureza, apesar de tudo, ainda insiste em ofertar-nos, e, nós é que somos inteligentes!

Olá meus amigos, o motivo deste texto é esclarecer que neste meu pretenso poema não estou generalizando, pois sabemos que em todo o seguimento da vida existem os aproveitáveis e os que quando demoramos descartar nos provocam sérios danos e arrependimentos, e quase sempre de maneira irrecuperáveis.
Pois bem, estamos próximos de delegar novamente poderes a semelhantes para que possibilitem seguir nossas cidades e seus habitantes vivendo de maneira humana, aceitável, e, acima de tudo com respeito mútuo entre o homem e o meio em que vive, já que deste meio ele é também parte complementar!
Sendo assim devemos agir como a natureza que sempre segue regida pela perfeição, mas, sabemos que jamais seremos perfeitos, pois tudo deve existir em equilíbrio, no entanto temos a obrigação de sempre beirar a perfeição, para o bem de todos!    




Não tem que ser assim,
Chegar ao fim de uma jornada,
Detestando o próprio fim,
Pois colherá toda a maldade plantada,
E foi você mesmo que escolheu, enfim;

Pense, talvez seja este o momento,
De reparar parte dos danos,
Vá, amenize parte deste sofrimento,
Que infligiu a tantos durante anos,
É o desejo dos que em vocês acreditaram,

Realmente não tem que ser assim,
E você pode fazer,
De outra maneira, a diferença,
Então, tenha consciência e decência,
E faça algo de grande valia,
Finde o sofrimento do povo,
E terá agradecimento,


Não deixe que tudo termine,
Da forma que tem sido a sua vida,
O que você pensou ser felicidade,
Na verdade, eram somente aparências,
Cercado de corrupção, podridão;
Esta sua vida, me parece tão vazia!

Sotnas Odlabu



sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Próxima estação, PRIMAVERA!

Imagem feita em Atibaia na festa de flores e morango, em 16-09-2012.
Haviam tantas flores lindas por lá que fiquei sem saber qual escolha de imagem fazer, mas creio que esta também está bela!

Observando as flores,
Em todas as árvores brotando,
Percebo os dias esquentando,
É prenúncio da estação das cores,

São tantas as cores,
E inúmeras que inspiram amores,
Em meio a elas é tão inebriante respirar,
Sinto um impulso de me refestelar,

São tantas de bela e intensa nobreza,
E outras tantas e seus olores de uma singeleza,
Que nos deixa uma certeza deveras,
Vamos viver outra primavera,

Que nos trás dias brilhantes,
Noites que enleva os amantes,
É assim esta estação,
 Inspira até amores em telas,
E nos faz sentir bem,
Sempre que estamos entre elas,
Nos campos ou, onde quer que tenha,
As cores, olores, e a alegria das flores belas!


Sotnas Odlabu




                                                                                                                 

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

É assim, sempre que por mim você passa!

Imagem feita em junho de 2011, Lambari - MG por Sotnas Odlabu.

Observando esta imagem, é possível imaginar os efeitos dos anos passados, e ainda assim o edifício resiste, até que lhe tirem o direito de lá estar, esta antiga construção segue resistindo aos anos que estão sendo deixados no passado, assim feito nós, com a uma diferença. Podemos fazer nossas escolhas e tornar suportável ficar para trás com relação a cada ano que seguimos vivendo!



  E outra vez, quase junto a ti caminhei,
E sabe que tentei seguir ao seu lado,
Não conseguindo, meu viver, eu,
Sempre que por mim você passa,
Somos deixados no passado,
E leva todos os meus momentos vividos
Desde os da ingênua idade,
Hoje, me restou mais uma saudade,
Mas, não é uma saudade triste,
Pensando nos felizes momentos,
E ainda assim me sinto feliz,
Apesar de breve, é a vida,
Encantadora e, eu encantado,
Não vou desistir, enquanto em mim,
Esta dádiva, que é a vida existir,
Apenas sinto quando diz,
Que um dia estará terminada,
Já que não te acompanho,
Não como antigamente,
Sigo da maneira que me existe,
Será assim, de agora em diante,
Gestos comedidos, ou hesitantes,
Com certeza será, lentamente,
E o culpado é você, exatamente,
Por me fazer trilhar inversamente,
Este intenso, conhecido e, tão,
Envelhecido caminho, novamente!

Sotnas Odlbu


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Reside uma criança nesse adulto!

Imagem feita em Campos do Jordão em agosto 2012, por Liza G.
É só um momento criança!

Desde que a este mundo cheguei,
Foram-me atribuídos direitos e deveres,
Nem pedir foi preciso, mas, cá cheguei e gostei,
Vivendo, faço o que me foi deixado acontecer,

Dou-me o direito de sempre tentar,
Ainda que demore acertar,
 Como também o de recomeçar,
Em qualquer momento que algo terminar,
Há ainda um direito que jamais abandono,
Mesmo com, alguns enganos,
Jamais me farão deixar de usar
  Este direito que aprendi ainda criança,

 Que é viver sempre com intensa alegria,
Pois a criança jamais deixa de ter esperança!

Sotnas Odlabu 

domingo, 12 de agosto de 2012

Para meus filhos - Queria ser um pai diferente, do meu pai!

Gostei desta imagem, pois retrata um pouco do que penso como deve agir um pai, sempre ao lado dos filhos, pois apesar de alguns filhos não admitirem, o pai se agir com correção e sensatez, será um exemplo!

Fiz a imagem em Caxambu-MG no parque das Águas, julho 2012, e as pessoas que aparecem na imagem me são desconhecidas, sendo assim, caso desejem, a imagem será retirada, e assim acontecendo, peço humildemente que aceitem minhas desculpas!    


Esse meu modo um tanto introvertido,
Suprimiu-me demonstrar-lhes até então,
E só agora me dei conta, vocês cresceram,
No trabalho, alguns anos se passaram e,
Sempre os dois me deram alegria,
Amor e compreensão!

Eu me infligia censuras,
Sempre que ficava zangado,
Sinto não ter sido,
Como dizem um pai, maneiro,
E eu aprendendo a ser pai, externar meus sentimentos,
Fácil seria houvesse meu pai sido, mais companheiro,
E não tão ausente o tempo inteiro,
Por tanto faltar, me fez tanta falta,
E partiu sem conhecê-los,

Muito me aflige,
Vê-los aborrecidos ou, tristonhos,
Jamais quis fazer-lhes qualquer mal,
Ou mesmo parecer medonho,
Doeu-me em dobro, quando estava zangado,
E por toda dor que á vocês tenha eu causado,

Desculpem-me filhos,
Caso esteja sendo eu enfadonho,
Por escrever todas estas rimas,
Somente para lhes dizer,
E para que saibam e,
Não sintam mágoa, é meu jeito de ser,
Sinto-me feliz e, orgulhoso, e eu os amo muito,
Desde que soube que viriam,
E mais que os vi no dia em que nasceram,
Seu filho acaba de nascer
Com dois foi o início, somos quatro,
Depende de vocês, quantos iremos ser!

Sotnas Odlabu

quarta-feira, 18 de julho de 2012

A SÓS, COM A SOLIDÃO!

Imagem feita em casa em maio 2012, das folhas da flor de maio, na minha visão, interessante, e, diferente!
por Sotnas Odlabu.



               Como saber enfrentar terrível sentimento, de ser,
Pois somos tomados e, sem saber o que fazer,
Sem se aperceber, também não temos o querer,
Chega e sentimos, ou não, não há como escolher!

Assim se faz esse doloroso sentimento,
Mesmo estando rodeado por uma multidão,
É intangível em qualquer momento,
Posto que seja um sentimento, e, dorido momento,
Preferível é jamais sentir,
Entretanto cedo ou tarde sentimos a solidão!

Insensíveis dizem que solidão é,
Não estar em companhia, quão
Afirmam somente os pobres de sensibilidade,
Completamente só nesta matéria é inverdade,
Deus sempre está em nós é nossa metade!

Solidão é não estar em nossa própria compleição,
É não sentir as vibrações de tudo e, da multidão,
É o sentir só da própria alma, e de Deus,
Assim penso eu,
É que se sente doer à solidão!

Sotnas Odlabu

  

domingo, 1 de julho de 2012

Perder ou ganhar faz parte... É a vida!

Imagem feita em Campos do Jordão-SP em um parque, por Sotnas, Odlabu em agosto 2011.



Eu penso que,
Talvez nunca tenha perdido,
Por todos os caminhos que andei,
Colhi fracassos eu sei,
E aprendi que são menos doridos,
Que das vezes em que não ousei,
Dói-me mais a dúvida, se teria conseguido,
Que poderia ter tentado, ainda que houvesse falhado,
Que às vezes em que com as derrotas me deparei,
Afinal, o que são derrotas se não, um aprendizado,
Sem considerar tão importante ganhar, ou perder,
Pois sei que não tenho todo o tempo que gostaria,
Porém, por gratidão, todo tempo que me é concedido,
Vou me manter vivo, e, 
Sempre encantado, com o que importa,
Que é simplesmente viver!
Sotnas Odlabu

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Ah, não há o que explicar, melhor sentir!

Imagem feita em São Lourenço em nov 2011 por Sotnas Odlabu.
Olá prezados amigos, desculpe o afastamento, não por vontade minha mas, por conta desta máquina conhecida por PC. Que também seria, por conta da fábrica da máquina que demorou três meses para me devolver o aparelho e ainda assim veio com defeito, aliás, o mesmo que foi. Bom fato é que preferi abrir mão da garantia para me poupar de outros mais aborrecimentos. por enquanto estou usando um antigo note do filhote. Assim não estranhem esta postagem, que seria para o dia dos namorados. Estou atrasado!

 
Não sei se é o coração,
Ou qual órgão, que então,
Faz-nos sentir tal emoção,
Somente sei o quão,
Desejado é por quem não sente,
E por alguns, por mais que tente,
Conseguem sentir não!

Ah, quão divino é este sentimento,
Que nos faz ignorar,
Os perigos em tantos momentos,
E nos faz sentir flutuar, impelidos,
Por tal e incontido sentimento,
E num exalar de otimismo,
Atiramo-nos abismo adentro,
Despidos de qualquer conformismo,
Hora nem tão longo, hora incógnito,
Quanto ao futuro do momento,

Ah! Assim é esse amor insolente,
Que durante o dia, acontece,
E nos faz deixar de ser tementes,
Ou enquanto o sol não brilha,
Tão logo a inspiradora lua aparece,
Desencadeia essa tórrida paixão,
Em seres, que deixam de ser são,
Tal a intensidade da paixão,
Que deixam caídas pelo chão,
Para que não se percam de onde estão,
Enquanto provam seus sabores, se tateiam,
Caídas suas vestes estão, se desejam,
Assim, feita uma erótica trilha!
 Sotnas Odlabu





  

POSTAGENS