Bela cidade das Gerais!

Bela cidade das Gerais!
Imagem feita por Sotnas Odlabu em São João Del Rei MG em nov de 2016

E AQUI, OS QUE POR CÁ VIERAM UMA, E CONTINUAM VOLTANDO OUTRAS VEZES!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Somente minhas fronteiras!

Imagem feita por Liza em maio de 2010,
no Pico dos Agudos em Santo Antonio do Pinhal-SP
(Imagens da Liza estão no blog Liza e Sot fotos)


                      Quando criança, por conta da ocupação de meu pai (era sargento do exercito) a família vivia sempre mudando de cidade, e eu sempre que chegava a uma nova cidade, ou até mesmo em outro bairro, na primeira semana era uma tristeza enorme, pois sentia saudades da anterior cidade, dos amigos, principalmente dos amigos.
Passada aquela primeira semana, já acostumado sabia que não teria volta. E assim eu guardava na memória todas as anteriores amizades, e pra não ficar restrito aos limites da nova moradia, que até os quatro anos de idade era a fronteira, e que sempre tive a recomendação de não violar, ou seja, sair dos limites da residência sem a companhia dos pais seria passivo de muitas palmadas. Ah, e devo dizer que as palmadas seriam carícias, fossem elas aplicadas somente com as mãos. Mas éramos criança, talvez por estarmos sempre desafiando tudo e todos, descobrimos, eu e meu irmão que as palmadas com as mãos estavam perdidas no passado, e que muito lamentaríamos. Descobrimos que haviam inventado algo capaz de provocar dor intensa e não parava por ai, nos deixava por alguns dias sem vontade ao menos de pegar no talher para fazer as refeições, pois em nossas mãos ainda restavam os rastros das “palmadas”.
 Nunca pesquisei, pelo motivo de que somente por lembrar aquele objeto de tortura sentia doer às mãos. Mas o idealizador daquela tal de palmatória devia ter mãos feias ou não as usavam pra nada!
  Mas essa fase eu deixo pra outra ocasião. Aos cinco anos de idade eu já freqüentava o que hoje é chamado ensino pré-fundamental, e já lia com muita facilidade todas as letras agrupadas que formavam qualquer palavra, e isso onde houvesse não saia de perto até ter devorado toda a frase.
Sendo assim já cumpria alguns afazeres, como comprar algo na padaria, e claro, doces e balas, estas com as moedas que ganhava com a recomendação de guardar para o lanche!
E quando se está onde não conhece, temos a obrigação de fazer o reconhecimento da área e adjacências. Eu e meu irmão saíamos para explorar o ambiente, saber sobre o local onde ao menos por alguns meses até conhecer seriamos moradores novatos!
E assim a cada dia que saia e andava pelo quarteirão, hora pelo bairro, aos domingos arriscava ir mais longe, ou seja, sai do bairro, o que oferecia certo risco, isso mesmo, quando nos aventurávamos em bairros onde moravam alguns garotos que nos consideravam desafetos, principalmente se alguma menina do bairro deles tinha amizade com os “invasores” e neste caso já sabíamos de antemão que teríamos de estar sem peso extra, pra não deixar as mãos dos encrenqueiros descobrirem a textura de nossos rostos!
Claro que algumas meninas, em comum acordo com os encrenqueiros nos convidavam somente pra ver se éramos “corajosos”. Mas somente após o nosso teste de velocistas é que confessavam, diziam que gostaram de ver que tínhamos muita coragem, e velocidade. Embora em muitas ocasiões não houvesse tempo de provar se éramos ou não velozes, evitar levar e deixar alguns hematomas, e isso me era difícil compreender, pois sempre que nos mudávamos, o ônibus passava por diversos locais em que não havia uma casinha sequer, sendo assim havia bastante espaço para muita gente, então por qual motivo os encrenqueiros não nos deixavam caminhar no bairro onde eles residiam!
 Liberdade. Esta palavra que em alguns provoca sentimentos controversos, porém quando bem interpretada, nos é de incontáveis benefícios!
Foi nesta época que descobri que nós humanos erguemos ou criamos muitas fronteiras em torno de nós mesmos. Ao longo de nossa existência são várias as fronteiras criadas. Descobri naqueles testes de velocidade, ou mesmo nos hematomas que algumas fronteiras são desnecessárias, mas somente vamos descobrir isso mais tarde. Ou seja, descobrimos que exercer nossa liberdade sem responsabilidade nos proporciona inúmeros dissabores, quando em nossa liberdade invadimos a liberdade do próximo, erguemos uma fronteira limitadora no próximo. E como ninguém jamais suporta viver sob limites extremos, sabemos que nada de bom resultará.
Era assim quando eu era criança, o meu bairro era meu mundo, e eu já considerava enorme, até conhecer todos os habitantes, após esta fase, eu tinha sonhos terríveis.
Pois me sentia sufocado em somente conviver naquele espaço, sentia a necessidade de ampliar minhas fronteiras, ou seja, adquirir mais conhecimento conhecendo outros bairros outras cidades.
E isso somente viria acontecer muito mais tarde, Como vê sinto muitas saudades dos velhos e bons tempos, onde as brigas de garotos não terminavam em cemitérios, ou mesmo em cadeiras de rodas, ou, bem o fato é que raramente ficavam mães chorando a perda de seus filhos, como vê, tínhamos liberdade, e respeito pela liberdade do próximo, e isto é algo que já não se pratica tanto nos dias de hoje, o respeito pelas fronteiras de cada um! Percebi isto naqueles tempos, com aquelas minhas “experiências” e também com as palavras de meus pais, que sempre me diziam, se você quer ser respeitado, respeite. E eles estavam certos, pois sempre foi dessa maneira, se quer ser amado ame, nesta existência é tudo um dar e receber, não se pode exigir algo de outro se não agirmos de acordo. Percebi naqueles terríveis sonhos em que me sentia sufocado, limitado, que, era eu mesmo que erguia minhas fronteiras, e mais tarde descobri que somente eu mesmo posso ampliá-las. E devo confessar que me fez um bem enorme descobrir que aqueles, eram os meus limites, eram somente minhas fronteiras!  Ainda bem que percebi quais eram os meus limites!
                Sotnas Odlabu     

35 comentários:

  1. Somos de outros tempos meu amigo. Somos portadores de valores que hoje se perderam.
    Nossos limites e nossas fronteiras fizeram-nos crescer enquanto almas que procuram evolução.
    Costumo dizer o FOTOTROPISMO DA ALMA - nossa alma caminhando em direção da LUZ.
    Mas hoje os limites e as fronteiras têm criado outros rumos, principalmente o da violência.
    Um belo texto.
    Meus parabéns!!!
    Deixo um abraço fraterno pra si.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Sotnas! Também mudei muito de cidade. Meus pais eram bancários e viviam sendo transferidos. Faz uns 20 anos que moro em Pira e só mudo de casa, mas continuo viajando. Adoro. Seu texto é perfeito e a foto da Liza é encantadora. Parabéns pra vocês dois! Gostei dos containers coloridos. Como não estou acostumada com eles, acho-os até bonitos. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. oi meu amigo de alma grande!
    Te vejo pelas escritas neste suave texto que hr vira crônica...é bom perceber que ainda há pessoas assim que ver pelos olhos da alma...
    olhando o mundo de frente quando há pessoas que querem é vendar os olhos...
    Vc é divino nas tuas escritas da qual me indentifico sempre...
    Bjsssssssssssssss

    ResponderExcluir
  4. Oi Sotnas,
    É muito difícil mudar muitas vezes de cidade principalmente para a criança, tendo que se adaptar com várias situações como você mesmo descreveu, mas também se aprende muito. Sempre tem o lado bom e nessa crônica eu só vi coisas boas, aprendizados que fez você um ser humano de valor. Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Os tempos primitivos são líricos, os tempos antigos são épicos, os tempos modernos são dramáticos.

    Confira os livros da promoção de setembro - serão 16, só para vocês! Quanto mais comentarem o blog, mais chances terão de ganhar, pois o sorteio será feito através dos números de comentários; trazendo mais alguém para fazer parte de nosso quadro de seguidores, aumenta as suas chances em ganhar, pois se esta pessoa for sorteado, você, como indicador, levará também um livro!

    ResponderExcluir
  6. Caro amigo

    As palavras
    inundadas de histórias
    de vida, são preciosas.
    Nos falam de sentimentos
    que em algum lugar
    do coração continuam
    a existir.

    Aprender com os limites.
    Lições que nos fazem
    voar quando é preciso voar.
    Pousar quando é precios pousar.

    Viver é sentir os sonhos
    com o coração.

    ResponderExcluir
  7. O seu carinho é tão contagiante,
    que se eu estiver me sentindo triste,
    suas mensagens sempre conseguem me animar.
    A sua amizade é importante para muitos,
    e principalmente para mim.
    Só o fato de você existir já é motivo de alegria
    Obrigada pela paz que você transmite,
    e pela luz que irradia do seu coração.
    Beijos no seu coração,Evanir...

    ResponderExcluir
  8. Amigo Sotnas, que texto magnífico, é possível perceber em cada vocábulo um pouco dos seus sentimentos.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. É o que falta hoje - limite. E em nome de uma tal liberdade, se acha que pode tudo, desreispeita a si mesmo e ao outro, violar-se e violar.

    Minha mãe apanhou de palmatória e dizia que nunca bateria no filho com uma. E assim nos criou, colocando limites com olhares e algumas vezes gritos.

    abraço

    ResponderExcluir
  10. Querido amigo,

    A exclusão por falta de conhecimento e orientação era realmente grande. Em compensação a educação era mais firme e sólida. O bom é que mantivemos esta educação enraizada por quê:

    "não se pode exigir algo de outro se não agirmos de acordo. "

    É uma verdade que todos conhecem, mas nem todos agem desta forma. Há ainda os que a ignoram.

    A falta de limite é um grande mal na sociedade que vivemos e que provoca sérios transtornos , prejuízos e um óbice para que a mesma cresça e/ ou se mantenha de forma saudável, com consciências gerando atos corretos.


    Carinhoso beijo Sotnas.

    ResponderExcluir
  11. Somos aprendizes da vida, somos racionais, mas por natureza humana temos de mesma forma instinto animal, não nos conformamos com os limites do berço, uns mais cedo outros mais tarde avançam as cercas e se atiram em tapetes; e isto por diante se faz no decorrer, queremos sempre saber o que está além.
    Sotnas estou postando vídeos, gostaria da tua opinião
    abraços

    abraços

    ResponderExcluir
  12. Oi, Sotnas! Voltei pra agradecer. Você foi muito gentil em ler minha crônica no Diário do Engenho e deixar comentário. Muito obrigada mesmo! Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Ola querido,

    Frações de sentimentalidades, me deixam louca!!!
    Pulo do abismo com os olhos fechados, o coração pulsando e um grito na voz.
    É assim que gosto de viver.

    Passe lá no blog,quanto mais comentar, mais aumenta suas chances em serem sorteados, pois o sorteio será feito através dos comentários! você pode ser contemplado por um autor plus! autor "Plus", é aquele que disponibiliza duas obras para o mesmo sorteio; ou seja, aquele que foi contemplado por um autor plus, indicará, no blog, O clube dos novos autores, a pessoa que este gostaria que fosse contemplado com esta outra obra, seja quem o indicou; seja um amigo...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. oi meu amigo, que lindo texto, me faz lembrar muito de minha infância. Meus pais também mudaram algumas vezes,por conta do trabalho deles, e sempre estava tendo que adaptar as novas escolas, novos amigos, mas era uma alegria, eu particularmente adorava.Parabéns pela história gostei muito.Um beijo e ótimo fim de semana!
    Smareis

    ResponderExcluir
  15. Graças à Malu conheci seu blog
    e tive muito gosto em cá vir.
    Virei mais vezes.
    Um beijinho/Irene

    ResponderExcluir
  16. Esse aprendizado vem da sabedoria que adquirimos na vida, com as nossas experiências. Levantamos tantas muros desnecessários! Mas nos forçamos a removê-los, observados nossos limites.
    A educação mudou, infelizmente. O respeito anda ficando de lado, quando é fundamental para a convivência pacífica entre os homens.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  17. Imagens...saudades...sejam elas tristes ou felizes ficam para sempre em nossos corações não importando para onde nos deslocamos.

    Um bom domingo meu querido!
    bjk

    ResponderExcluir
  18. E quantas fronteiras temos que desbravar durante esta passagem nossa, só não podemos é desistir. Olá meu querido amigo, dias poucos faltam para o meu anual descanso e antes de ir quero abraçar os amigos, assim te espero dia 1º na minha Ilha, tem o convite lá... que tenhas dias de luz e noites de amor. Um doce beijo no coração!

    ResponderExcluir
  19. Nossa amizade é um mundo de encantos,por isso temos que ter capacidade de amar infitinamente.
    Creia a amizade é um fio que liga nosso coração em qualquer parte do mundo.
    Só podemos ter certeza que não estamos passando pela vida inultimente se não perdermos a capacidade de amar.
    Sou muito feliz por ter sua amizade, é isso que me da a certeza de um amor lindo e incondicional.
    Uma abençoada Semana.
    Bjs no coração.
    Evanir

    ResponderExcluir
  20. Olá, Sotnas. Cheguei até aqui através do blog da Malu.M encantou o teu poema e senti vontade de ler um pouco mais. Teu blog é especial. Escreves com muita propriedade e teus textos são bem reflexivos. Lendo este texto me reporto a um tempo que guardo na lembrança, na minha infância, onde havia limites e obediência aos pais e mais velhos. Hoje, com tristeza, isto já não existe mais. O teu texto é tão real, como se eu estivesse vivendo outra vez na tua história. Passa lá no meu espaço. Virei sempre aqui matar saudades.
    Tenha uma linda semana.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Olá Meu Amigo Poeta!
    Lendo as suas palavras eu compreendo bem o grande homem de caráter e boa indole que você se tornou.
    Temos sorte de ter tido pais presentes que nos mostraram as vezes com um pouco de dor os nossos limites.
    Hoje podemos repassar aos nossos filhos esse amor que instrui e prepara melhor para a vida!Mesmo que o mundo tenha mudado e os valores estejam bastante perdidos.
    Eu estava com saudades de estar aqui... Vou ler todas as postagens que perdi.
    Tenha uma ótima semana!
    Um abraço muito carinhoso

    ResponderExcluir
  22. Sotnas querido,
    li com calma e saboreando tuas palavras..
    o desenvolver-se..
    muito linda reflexão..
    beijos perfumados..

    ResponderExcluir
  23. Das "fronteiras" de ontem aos "muros" de hoje, sempre fonte de demasiados hematomas, ao derrubá-los! E... dos valores tão ingloriamente perdidos nas "fronteiras" dos tempos!
    Abraço
    Quicas

    ResponderExcluir
  24. Boa noite meu doce amigo!
    Estou com sadades das tuas escritas...e dizer que vc é um ser humano incomparável...
    Bjssssssssssss

    ResponderExcluir
  25. Amigo Sotnas,cheguei aqui através de outro blog onde li seu comentário e gostei muito.Meu nome,Leninha,é o carinhoso diminutivo de meu Helena,nome forte,mas pelo qual poucas pessoas me chamam.
    Gostei e me identifiquei com esta postagem,pois também eu,desde a mais tenra idade,tive que me acostumar com as mudanças,já que meu pai era bancário,e minha mãe adorava mudar.Passei por tudo isto que você descreve com perfeição.
    Então,é isto:histórias parecidas,de pessoas tão distantes...
    Bjsssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
  26. Meu amigo Sotnas faz tempo que não passo no seu blog mais cada vez que venho aqui fico muito feliz com suas postagens como sempre vc mandando bem com suas reflexões..Que Deus abençoe vc e sua familia..

    Um grande abraço...

    ResponderExcluir
  27. Lindo seu texto, boa recordação de história de vida.

    Sotnas,
    agradeço muito suas palavras gentis, sempre que me visita leva luz e carinhos ao meu espaço e a todos que passam por lá.

    Gostei da foto dos containers.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  28. Sotnas,lindo relato de sua infancia!Alguns trechos tristes,outros divertidos mas sempre um grande aprendizado!Vc escreve muito bem,adorei ler!Bjs,

    ResponderExcluir
  29. Boa noite, Sotnas!

    Lendo seu texto percebi que hoje as pessoas perderam o seu referencial de liberdade e agem por impulsos sem saber as consequências dos seus atos. Infelizmente o resultado são os piores possíveis.

    Fiquei contente em ler seu texto-depoimento pois mostra sua integridade e valor como uma pessoa de bem.

    Um grande abraço e uma semana de bençãos

    Deus seja contigo

    ResponderExcluir
  30. Olá "Companheiro de palmatória"

    As nossas recordações de infância são das coisas mais bonitas e ternurentas que temos dentro de nós.!
    Tambem apanhei com aquela palmatória horrosa de cinco olhos... nas mãozitas macias de criança! E de quem? De uma freira rezingona que, desfiava sua frustração (??) nas nossas mãos. Chegava a ir para casa com as mãozitas inchadas sem as poder fechar...até que o meu pai teve de intervir: "Irmã, não quero ver mais a minha filha chegar a casa com as mãos naquele estado. Uma sapatada no rabo, deve chegar, de outra forma, desengane-se que nunca entrará no céu". O meu Pai era assim, de um carinho enorme com os filhos...Mas deu resultado!!!
    Mil beijos
    Graça

    ResponderExcluir
  31. Caro amigo,

    Com muito carinho deixo aqui minha mensagem para você.


    Quando temos um relacionamento diário com Deus, aprendemos a confiar em todos os momentos, não importa o que aconteça. Sabemos que Deus é o nosso único amigo, pois jamais se afastará de nós.
    Ele transmite paz interior, segurança, felicidade duradoura e plena, só Dele podemos esperar o amor e proteção.

    Abraço!
    http://hajalluz.blogspot.com

    Deus abençoe sua família!Amém

    ResponderExcluir
  32. Meu Querido Amigo,
    Não poderia deixar de vir aqui e agradecer a sua passagem em meu blog. É sempre muito enriquecedor ler as suas palavras em seu comentários tão bem escritos.
    Que Deus o ilumine sempre!
    Deixo aqui registrado o meu sincero carinho e admiração.
    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  33. Prezado Amigo
    Hoje eu vim pensando um pouquinho em meu sonho
    por favor clique no Link

    http://www.mariaalicecerqueira.com/2011/08/prezado-amigo-leitor-e-seguidor-me.html

    Muito obriga de coração

    abraço amigo
    atenciosamente Maria Alice

    ResponderExcluir
  34. Oi Amigo, dei uma passadinha pra te desejar um ótimo resto de semana cheio de coisas boas. Um abraço!

    Smareis

    ResponderExcluir
  35. Obrigada pela visita ao blog do clube de autores e fazer parte da construção dessa história de amor e luta. Nós, novos autores unidos neste blog que você ajuda seguindo e comentando nossos posts.
    Seguindo o blog você concorre a livros todos os meses. Quanto mais comentar, mais aumenta suas chances nos sorteios. Obrigada por nos seguir e pelo comentarário tão carinhoso e pertinente.

    Beijos:

    Francilangela

    ResponderExcluir

POSTAGENS